//Faz diferença combater a LGBTfobia no Brasil?

Faz diferença combater a LGBTfobia no Brasil?

Faz diferença combater a LGBTfobia no Brasil?

Hoje é o dia internacional de combate à LGBTfobia e o Brasil ocupa um vergonhoso primeiro lugar no ranking dos países que mais matam cidadãos LGBT.

O ano de 2016 foi o mais violento da década para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Foram 347 assassinatos com motivação LGBTfóbica que, somados aos 117 homicídios já ocorridos em 2017, somam quase 2000, contabilizados pelo Grupo Gay da Bahia desde 2011.

Já 2017 tem sido um ano especialmente violento com a população Trans. Já foram 53 mortes ligadas ao preconceito, entre janeiro e abril.

Até quando aceitaremos ser o líder do ranking de violência contra LGBTs? Como podemos nos afastar desse histórico hediondo de crimes de ódio?

TAGS: