//#IgualdadeTemVoto Democracia: Objetivo 2

#IgualdadeTemVoto Democracia: Objetivo 2

Objetivo 2: Ampliar a igualdade na influência sobre as decisões do Estado.

Nos últimos anos, a população brasileira assistiu atônita à uma das mais graves crises políticas e econômicas que já passamos. Muitos de nós compartilhamos o sentimento pessimista com relação ao funcionamento das nossas instituições, à capacidade representativa dos nossos congressistas, às soluções para problemas como a distribuição de privilégios e a corrupção. Esses sentimentos são canalizados para uma aversão completa à política e tudo a ela relacionado. Muita gente já não acredita que haja meios de resolvermos nossos problemas através da democracia. Boa parte desse sentimento pode ser creditada à quebra de expectativas com relação à própria participação política.

De repente, a população que se mobilizou nos últimos anos se viu de um lado injustiçada e, por outro, desiludida com a persistência ou até piora do cenário encontrado anteriormente. Enfim, não falta ao brasileiro vontade de participar ou preocupação com o destino político nacional. Aparentemente, desde as manifestações de 2013, temos cada vez mais exemplos de mobilizações em prol de pautas e direitos capitaneadas, principalmente por jovens. Contudo, falta uma educação que nos proporcione condições de entender o que está em jogo, as consequências das decisões que são tomadas e dos meios utilizados. Tudo isso só é possível com a implementação de uma educação política institucionalizada.

Não se trata de levar o debate político-eleitoral para as salas de aula, nem de realizar qualquer tipo de “doutrinação ideológica” nas escolas. A educação política é importante para que todos tenham a mesma capacidade de defender seus interesses em uma democracia participativa e de terem condições de discernir entre projetos e ideias políticas distintas, sem serem seduzidas por discursos demagógicos. Para além de proporcionar condições igualitárias de exercício da cidadania, uma educação política é importante para desmistificar alguns aspectos da nossa formação política e social, disseminar o conhecimento dos mecanismos de participação e fortalecer a cultura democrática e republicana ao combater o discurso de ódio e defender os direitos humanos.

Nossas propostas para o efetivo enfrentamento dessa realidade são:

Inclusão dos saberes da Educação Política nos objetivos de aprendizagem da Base Nacional Comum Curricular, de forma interdisciplinar;
Equalização da capacidade de participação da sociedade civil por meio da informação;
Capacitação da burocracia para a ponderação de diferentes interesses.

Post no Facebook: https://www.facebook.com/faz.diferenca.br/photos/a.633682643498440/939862706213764/?type=3&theater